Biografia do Benemérito da Indústria foi lançada na Câmara Municipal de Salvador

A biografia de um ilustre filho do Rio Vermelho, o industrial Nelson Taboada Souza (foto), ficou pronta 26 anos depois de sua morte, ocorrida em 30 de julho de 1983, aos 71 anos. O lançamento de ‘Nelson Taboada Souza, Benemérito da Indústria’, escrito por Ubaldo Marques Porto Filho, será no mesmo dia que seu único filho, Nelson Almeida Taboada, estará recebendo, no plenário da Câmara Municipal de Salvador, a Medalha Thomé de Souza. Imediatamente após a outorga da honraria, haverá a solenidade do lançamento do livro, no Centro de Cultura da Câmara.

Nelson Almeida Taboada recebeu a mais alta honraria concedida pela Câmara de Salvador

Por proposta do vereador Pedro Godinho, a Câmara Municipal de Salvador aprovou a outorga da Medalha Thomé de Souza ao empresário Nelson Almeida Taboada, presidente da Casa de Cultura Carolina Taboada.

A entrega da mais alta honraria concedida pela primeira e mais antiga casa legislativa do país, ocorreu em Sessão Solene marcada para o dia 25 de março, às 19 horas, no Plenário Cosme de Farias.

Palestra sobre a Família de Nelson Almeida Taboada

Sob os auspícios do Instituto Genealógico da Bahia, o biógrafo da Família Taboada, Ubaldo Marques Porto Filho, proferiu no dia 15 de setembro, no auditório da Fundação João Fernandes da Cunha, uma palestra sobre o conteúdo do livro ‘Família Taboada na Bahia’, publicado em novembro de 2008.

Comandada pelo presidente do Instituto Genealógico da Bahia, Álvaro Pinto Dantas de Carvalho Júnior, a mesa dos trabalhos foi composta com Silvoney Sales, presidente da Fundação João Fernandes da Cunha, Eduardo Morais de Castro, presidente da Associação Comercial da Bahia, e por três representantes da família homenageada, Nelson Almeida Taboada, Nestor Taboada Rivas e Amélia Taboada Gomes da Costa.

A inauguração do Espaço Caramuru

Representando o último ato das celebrações pelos 500 anos do Rio Vermelho, foi inaugurado no dia 25 de novembro, o Espaço Caramuru, localizado na Biblioteca Juracy Magalhães Júnior. Trata-se de um setor criado para ser especializado na história de Diogo Álvares Corrêa, o Caramuru, bem como na historiografia do próprio bairro. Ou seja, o Espaço Caramuru passa a ser na Cidade do Salvador um local recomendado para pesquisadores, jornalistas, professores e estudantes que queiram informações sobre o bairro e seu descobridor.

A solenidade da inauguração foi dividida em três blocos. O primeiro constou de uma mesa redonda, presidida pelo professor Ubiratan Castro de Araújo, diretor-geral da Fundação Pedro Calmon. Sobre o tema ‘O Bairro do Rio Vermelho, Ontem e Hoje’, falaram Eneida Cavalcanti, professora de História e coordenadora do Espaço Caramuru, Clóvis Bezerril, presidente da Central das Entidades do Rio Vermelho, e a arquiteta Arilda Cardoso.

Na segunda parte, foi firmado um convênio de cooperação técnica entre a Casa de Cultura Carolina Taboada, representada pelo seu presidente, economista Nelson Almeida Taboada, a Fundação Pedro Calmon, representada pelo diretor-geral, professor Ubiratan Castro de Araújo, e a Biblioteca Juracy Magalhães Júnior, representada pela diretora, bibliotecária Sônia Morelli Rodrigues Gomes. Como testemunhas assinaram a professora Eneida de Almeida Cavalcanti e o escritor Ubaldo Marques Porto Filho. Pelo convênio, a Casa de Cultura Carolina Taboada assumiu o compromisso de digitalizar, às suas expensas, todo o acervo fotográfico sobre o Rio Vermelho que existe na Biblioteca vinculada à Fundação Pedro Calmon.

No último bloco da programação ocorreu o lançamento do livro ‘Rio Vermelho, de Caramuru a Jorge Amado’, que contém uma síntese dos fatos históricos de maior destaque no transcurso dos cinco séculos do bairro descoberto em 1509, por Diogo Álvares Corrêa, o Caramuru. A obra foi patrocinada pela Casa de Cultura Carolina Taboada.

 

Mais fotos / Mais fotos

Câmara festejou os 500 Anos do Rio Vermelho

Num acontecimento marcante, que entrou para a historiografia do bairro descoberto em 1509 por Diogo Álvares Corrêa, o Caramuru, a Câmara Municipal de Salvador registrou os 500 Anos do Rio Vermelho com uma Sessão Especial na manhã do dia 18 de junho.

Após a bênção ministrada pelo Padre Ângelo, discursaram (vide página ao lado) o vereador Pedro Godinho, que presidiu a Sessão Especial, o presidente da Casa de Cultura Carolina Taboada, Nelson Almeida Taboada, e o presidente da Central das Entidades do Rio Vermelho, Clóvis Bezerril. Também fizeram uso da palavra os seguintes outros integrantes da mesa dos trabalhos: Consuelo Pondé de Sena, Eduardo Morais de Castro, Santiago Campo e Inácio Gomes. Em seguida, o escritor Ubaldo Marques Porto Filho proferiu uma palestra centrada nos cinco séculos do Rio Vermelho.

Embaixador da Espanha esteve no Rio Vermelho e visitou Nelson Almeida Taboada

Em sua primeira visita a Salvador, o novo embaixador da Espanha no Brasil, Carlos Alonso Zaldivar, esteve na sede da Associação Cultural Caballeros de Santiago, no Rio Vermelho, no dia 18 de maio. Acompanhado pelo cônsul da Espanha na Bahia, Antônio Polidura, o embaixador foi recepcionado pelo presidente da casa anfitriã, Santiago Campo, por dirigentes de diversas entidades da colônia galega e por associados de Caballeros.

A comunidade riovermelhense esteve representada por Nelson Almeida Taboada, presidente da Casa de Cultura Carolina Taboada, e pelo escritor Ubaldo Marques Porto Filho, autor do livro “Família Taboada na Bahia”. Um exemplar dessa obra, que relata a odisséia de uma família galegobaiana, símbolo do Rio Vermelho, foi o presente que Caballeros de Santiago escolheu para oferecer ao diplomata.

Entre Nelson Almeida Taboada e Santiago Campo, o embaixador Carlos Zaldivar mostra o livro “Família Taboada na Bahia”, que recebeu na presença de Ubaldo Porto, o autor, à direita.

Vídeos de Nelson Almeida Taboada

Veja no canal do youtube os vídeos dos principais eventos que contou com a presença de Nelson Almeida Taboada. São eles; O lançamento do Livro Família Taboada na Bahia, Coletiva do Livro Família Taboada, entre outros

Todos os vídeos estão disponíveis no Canal do youtube.
Veja Também:

  Nelson Taboada no Blogspot
Perfil do Nelson Almeida Taboada no google+
Fanpage de Nelson Taboada

João Henrique garantiu Memorial Caramuru

Na noite de 24 de março, durante a solenidade de lançamento do livro Diogo Álvares, o Caramuru, o prefeito João Henrique Carneiro fez um pronunciamento em que anunciou a construção do Memorial Caramuru. Logo depois do importantíssimo discurso, o chefe do Executivo foi agraciado pela Central das Entidades do Rio Vermelho com um diploma de Honra ao Mérito e recebeu um exemplar do livro Família Taboada na Bahia, entregue (foto) pelo empresário Nelson Almeida Taboada, presidente da Casa de Cultura Carolina Taboada, patrocinadora da obra que resgatou a saga de uma família símbolo do Rio Vermelho.

Nelson Almeida Taboada – 500 Anos de Caramuru

Presidente da Casa de Cultura Carolina Taboada

Fundada no dia 25 de março de 2008, a Casa de Cultura Carolina Taboada, com sede no Rio Vermelho, tem entre seus objetivos propagar a saga da minha família, de origem galega e com presença marcante na comunidade do Rio Vermelho durante o século passado. É o que atesta o historiador do Rio Vermelho, Ubaldo Marques Porto Filho, autor do livro Família Taboada na Bahia .

A Casa de Cultura Carolina Taboada também foi criada com a missão de contribuir com ações de beneficência e de fomento cultural no Rio Vermelho, onde passei a infância e a adolescência.

Nesse bairro querido freqüentei o jardim de infância da Escola Osvaldo Cruz, dirigida pela renomada professora Isolina Diniz. Foi onde aprendi a ler e escrever.

Ao cursar o primário aprendi também alguma coisa sobre Diogo Álvares Corrêa, o Caramuru. Mas as referências transmitidas pelos professores e pelos livros didáticos eram superficiais, sem qualquer aprofundamento. Por exemplo, não informavam que o local do naufrágio ficava no Rio Vermelho. Registravam apenas ter ocorrido na costa de Salvador, ou da Bahia. Por essa razão, freqüentava a Praia da Mariquita sem saber que me encontrava no sítio da chegada do náufrago que recebeu dos índios o nome de Caramuru após o tiro de espingarda desferido da Pedra da Concha.

Agora, a trajetória desse homem de feitos épicos consta de uma obra que resgata a sua presença no cenário da história brasileira da primeira metade do século XVI. Trata-se, sem dúvida alguma, de um registro sem similar, pois nenhum outro estudioso, em tempo algum, se preocupou em escrever uma obra inteiramente consagrada a Caramuru. Neste livro pioneiro, além de demonstrar a real importância desse personagem na historiografia baiana, Ubaldo evidencia e elucida fatos com relação ao Rio Vermelho, local por onde o misterioso europeu ingressou na nossa história.

Por tudo isso, sinto-me honrado por ter colaborado na viabilização deste livro. Sinto-me também muito feliz por ser a obra que marca mais uma participação da Casa de Cultura Carolina Taboada num projeto cultural. A publicação deste trabalho ocorre inclusive num momento histórico, no ano do quinto centenário do aparecimento no Rio Vermelho do náufrago mais famoso de toda a história brasileira.

(Transcrito do Prefácio do livro “Diogo Álvares, o Caramuru”)

Nelson Almeida Taboada garantiu o patrocínio do livro que resgata a história de Caramuru

Em solenidade na sede da Casa de Cultura Carolina Taboada, seu presidente, empresário Nelson Almeida Taboada (no centro), assinou as autorizações que garantiram a produção do livro “Diogo Álvares, o Caramuru”: com a Artemapas (editoração eletrônica), representada pelo diretor Haroldo Aragão, à esquerda, e com a Press Color (impressão), representada pelo diretor Francisco Sales, à direita.