Família Taboada na Bahia (I)

Em primeiro lugar, o meu muito obrigado pela presença de todos, que atendendo aos convites, enviados pela Casa de Cultura Carolina Taboada e pela Academia dos Imortais do Rio Vermelho, vieram prestigiar este evento que entrará aos órgãos da imprensa e, especialmente, aos colunistas sociais e econômicos, pela grande divulgação que deram a este evento.

Hoje, é um dia muito especial, é, um dia que traz muita alegria, para mim, e certamente para os demais membros da Família Taboada, pois é o dia da realização de um sonho.

Hoje é o dia do lançamento do livro que resgata a história de três ramos da Família Taboada, dos, três ramos que, oriundos da Galícia, se fixaram na Bahia, onde alcançaram projeção econômica e social.

Com raízes milenares, fincadas no Vale do Minho, na região espanhola da Galícia, a Família Taboada nasceu onde hoje se encontra a cidade de Taboada, na província de Lugo, donde se espalhou pelas demais regiões da Espanha, por Portugal e por vários países da Europa. Atravessando o Atlântico, diversos membros da família participaram da colonização do Novo Mundo e se ramificaram pelas Américas do Norte, Central e do Sul.

Hoje, o nome Taboada é sinônimo de uma família multinacional, que, participa ativamente do chamado mundo globalizado.

Especificamente na Bahia, a história da Família Taboada começou há 117 anos, em 22 de novembro de 1892, dia da chegada em Salvador de José Taboada Vidal (nascido em Cerdedo), meu avô, que se estabeleceu no balneário do Rio Vermelho, onde construiu a vida profissional e familiar.

Em 1926, desembarcou na capital baiana José Ramón Taboada Dominguez (nascido em Chandrexa de Queixa), pai de Amélia Taboada Gomes da Costa, presente aqui na Mesa. José Ramón também se tornou um empresário vitorioso e chege de um numeroso clã familiar. Depois de ter tido uma passagem pelo Rio Vermelho, a família fixou-se no Matatu de Brotas, formando o núcleo que ficou conhecido como “os Taboada de Brotas“.

Por último, no dia 3 de março de 1961, desembarcou no porto de Salvador Nestor Taboada Rivas, nascido em Cotobade. Sua história é muito parecida com a do meu avô, pois ambos chegaram adolescentes e, com muito trabalho e exemplar dedicação à família, se transformaram em personalidades de destaque na comunidade da Cidade do Salvador.

Com Nestor, presente aqui nesta Mesa, encerrou-se o ciclo histórico dos galegos da nossa família que vieram fazer história e contribuir com o desenvolvimento da Bahia. Nestor, um empresário bem-sucedido no setor dos transportes urbanos de Salvador, é atualmente superintendente administrativo-financeiro do tradicional Hospital Espanhol, erguido pela colônia galega na Bahia. Meu avô, José Taboada Vidal, foi um dos beneméritos deste hospital que hoje se constitui numa referência de excelência na Bahia.

A odisseia completa da Família Taboada na Bahia está contada no livro que aqui está sendo lançado e ofertado aos convidados. Foi escrito por Ubaldo Marques Porto Filho, amigo da família há 50 anos. Ou seja, o escritor possui uma convivência de meio século com a nossa família, desde o patriarca José Taboada Vidal, que conheceu em seus últimos anos de vida, dedicados com grande afinco à construção da atual Igreja Matriz de Sant’Ana do Rio Vermelho.

Nesse dia muito especial, não poderia deixar de homenagear Carolina Soussa Taboada, minha única filha, nascida no dia 25 de março de 2001. Deus, sempre generoso, permitiu que eu Nelson Almeida Taboada e Patrícia Soussa Taboada fôssemos pais de uma maravilhosa menina, última bisneta de José Taboada Vidal, inspiradora da criação da Casa de Cultura Carolina Taboada, e para quem eu queria deixar um registro histórico da nossa família, materializado agora com este grandioso livro. Sem ela, razão maior e única para tudo que está acontecendo, não existiria a Casa de Cultura e nem o patrocínio deste livro.

Agora tenho a honra e o prazer de proceder à entrega do livro “Família Taboada na Bahia” a cada um dos integrantes desta Mesa.

Por último, declaro finalizados os trabalhos desta Mesa e convido os presentes para o início do jantar de congraçamento. Enquanto isso, o Mestre de Cerimônias, senhor Germano Dansiger, irá chamando, por ordem alfabética, para a entrega de seus exemplares, as pessoas com o sobrenome Taboada.

O meu muito obrigado a todos que aqui se encontram e que vieram prestigiar esse evento!

Veja também: Discurso de Nelson Almeida Taboada: Família Taboada na Bahia (I)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>